Biografia

 

1882.08.04 - Batismo, na Igreja da paróquia de Santa Eulália de Paços de Ferreira, sendo padrinhos o Avô materno e uma tia materna.

1883 - Ida para o Brasil com seus pais, até aos sete anos de idade (Regressa em 1889).

1893.04.23 - Primeira Comunhão. Em nome das crianças pronunciou a alocução de circunstância como era tradição.

1896 - Entrada no Colégio do Sardão, em Vila Nova de gaia, juntamente com a sua irmã Maria Haydée.

Antes de entrar para o Colégio, frequentava próximo da Casa da Torre, em Paços de Ferreira, a casa de uma professora particular onde e com quem, a par de uma aprendizagem de línguas, recebeu também lições de artes (bordado, pintura, piano, etc.).

1903.10.23 - Confirmação, sendo-lhe ministrado o Crisma pelo Bispo do Porto, D. António Barroso, em Paços de Ferreira.

1911.01.20 - Voto pessoal de entrega ao serviço do Senhor, e “imolação de tudo”, ainda antes do noivado.

Os diversos votos a que D. Sílvia se ligou, traduziam uma muito particular e devotada atenção da sua alma a situações concretas da vida real, inspirando-lhe, de cada vez, uma forma especial de empenhamento apostólico.

1913.11.24 - Noivado interrompido pela morte inesperada do noivo, Dr. Acácio Umbelino Pereira da Silva, no Brasil, quase nas vésperas do casamento, tendo ela ido a Londres cuidar do enxoval.

“Provou-me Deus para que melhor conhecesse a dor e a fraqueza humana, deitando mão aos que, empurrados, dão muitas vezes um passo em falso; e quem não os dá?” – escreveu evocando tão doloroso transe.

1914 - Poucos meses depois, morte do irmão mais velho em Lisboa, Ângelo Cardoso, regressado do Brasil.

1916 - Prémio de floricultura, no Palácio de Cristal, no Porto.

1917.01.04 - Exercícios espirituais em Tuy, e propósito de se dedicar, por “voto”, a tudo quanto fossem necessidades urgentes do povo.

Doação sem reservas a todos os carenciados e marginais, especialmente velhos e crianças, fazendo-se ela mesma pedinte para lhes valer.

1918 - Morte de seu primo e grande amigo, o pintor Amadeu Sousa Cardoso, do Movimento Futurista Português, com Almada Negreiros.

Morte de seu pai, Manuel Umbelino Ferreira da Silva, Morgado do Rego.

Contagiada pela pneumónica, em meados de Outubro.

Instalação do Hospital de Paços de Ferreira, com todo o seu equipamento a expensas suas.

1919.03.14 - Inauguração oficial do Hospital, custeando pessoalmente as suas despesas de funcionamento durante seis meses.

1920 - Recolhe as primeiras crianças abandonadas ou vagabundas numa dependência do Hospital.

Inicia peditórios para o Hospital em todas as freguesias do concelho, e que se tornaram numa tradição de verdadeiras “festas do Hospital”.

1920 – 1925 - Vice-presidente da Comissão Administrativa do Hospital.

1921.12.21 - Organiza peditórios nas feiras para a manutenção da Creche, e ela mesma os faz periodicamente.

1921 - Medalha de ouro de floricultura, ficando conhecida como “a Sílvia das clematites”, nas Exposições do Palácio de Cristal.

1921 - Inicia as obras sociais.

Inaugura a Creche de Santo António em edifício próprio e por ela adquirido em Paços de Ferreira, seguindo-se o Colégio de S. José.

1923 - Obra de retiros para leigos, na Casa de Sequeiros, Lousada.

1924 - Subscrição pública no concelho de Paços de Ferreira para a colocação de uma estátua do Dr. Joaquim Meireles, fundador do Hospital, e para o arranjo do jardim a nascente da Câmara Municipal, assumindo pessoalmente a direção desse arranjo.

1925 – 1950 - Consegue e mantém o abastecimento gratuito de água à Vila de Paços de Ferreira (instituições públicas, fontenários e em algumas casas particulares mais carecidas).

1925 - Foi peregrina a Roma no Ano Santo, contratando uma carruagem para conhecidos e amigos, entre eles o poeta Dr. Queiroz Ribeiro. Pio XI abençoou-a com especial atenção, no que reparam todos os peregrinos

1927 - Transfere a Casa de Retiros para a Quinta da Granja, Gandra (Paredes).

[Participantes em três anos: 234 cavalheiros, intelectuais e estudantes; 438 senhoras; 350 lavradores e operários; 318 lavradeiras e criadas de servir; 378 Filhas de Maria; 112 crianças]

1928 - Inicia-se a construção de um pavilhão no Hospital para doenças infecto-contagiosas, com projeto seu próprio, segundo ideia já lançada em 1925.

1932 - Colabora na abertura da Casa de Retiros na Quinta do Bosque, Amadora.

1933 - Lançada a ideia de um movimento nacional dos Cortejos de Oferendas a partir de um apelo para apoio do Hospital que mantinha em Paços de Ferreira.

1933 - Expande-se a ideia de um movimento nacional dos cortejos de Oferendas em favor das Misericórdias, nascida dos peditórios no concelho.

1936.07.19 - Morte de sua mãe, D. Joaquina Emília da Conceição Cardoso.

1937 - É-lhe confiada a Casa de Retiros da Amadora.

Funda o Patronato de Santa Teresinha, na Amadora.

1937 - A casa de Retiros na diocese do Porto é transferida para a Casa de Quintela, Guilhufe, Penafiel, passando mais tarde para a rua do Falcão, em Campanhã.

Casa da Rua do Falcão, Campanhã, também para retiros espirituais.

Retiros promovidos em mais de 15 loca1idades do país, e em hotéis fora das épocas balneares.

Casa de Retiros de Elvas, donde nasceu a Congregação das Irmãs Concepcionistas ao serviço dos Pobres.

Retiros na sua Casa da Torre, em Paços de Ferreira.

 

1937.12.28 - Assina na Casa da Torre um documento expressando as suas últimas vontades, quer quanto aos bens que lhe pertenciam, quer quanto aos cuidados a ter com a obra dos exercícios espirituais.

1939 - Acção intensa de retiros, acolhimento a jovens desamparadas e apoio a mães solteiras, bem como encontros de diversa ordem, na Quinta do Bosque (Amadora), durante vários anos.

Outras obras socio-caritativas em anos anteriores e subsequentes:

Apoio à Instalação da Pia Sociedade de S. Pau1o em Portugal, e de outros Institutos Religiosos.

Apoio à obra do Dr. Formigão em Fátima - Religiosas de Nª Sª das Dores.

Retiros na Casa da Torre, em Paços de Ferreira.

Apoio à fundação da Casa dos Rapazes em Barcelos e do Patronato da S.ª Família, em Penafiel.

Instalação do Internato Alves Magalhães, em Penafiel.

Retiros promovidos em mais de 15 localidades do país, a pedido de Bispos e de Párocos, por vezes em hotéis e termas, fora das épocas balneares.

Fundação de dois Lares no Porto para raparigas abandonadas e em perigo moral.

Colaboração estreita com organismos oficiais de Assistência na colocação e tutela de raparigas menores em serviços domésticos, tendo já passado por patronatos de acolhimento, protecção e formação.

1940 - Faz doação de terrenos seus para a construção do Asilo António Barbosa, para pessoas idosas.

1941 - A pedido pessoal de Guerra Junqueiro, levada pelo Dr. Queiroz Ribeiro a visitar o Poeta. Este referir-se-lhe-ia por diversas vezes em carta aos amigos com palavras assim:

Quanto a admiro! Invejo a sua fé. Não me cansa. Faz-me bem. Que alma admirável! É uma Santa. É uma alma angélica. Exala graça, irradia encanto, move-se em Deus.” Dedicar-lhe-ia o Poeta a Oração a Jesus Crucificado, escrita já em 1922, e ao qual daria particular e devota assistência na morte, chegando a telefonar para Lisboa a solicitar a presença do Senhor Padre Cruz com anuência reconhecida do Poeta.

1948 - Fundação em Espinho do Patronato da Divina Providência.

1949 - Uma terrível doença começa a macerar o seu corpo já franzino e gasto, e perante a qual viria a ceder.

Um dia viram-na subir de gatas as escadas do Patronato em Espinho, por já não ter forças para as subir de pé.

1950.01.21 - É submetida a melindrosa operação cirúrgica. Era dia de Santa Inês, dia em que abrira o “seu” Hospital de Paços de Ferreira e a casa de Retiros de Sequeiros.

1950 - Atingida por doença grave, define as suas últimas vontades, contemplando em especial três obras da sua particular predilecção: Hospital, Asilo de Velhos e Creche.

1950.11.02 - Adormece para sempre no Senhor em Paços de Ferreira.

1950.11.03 - A devota apoteose popular e oficial do seu funeral.

Último Cortejo de Oferendas planeado ainda em vida sob o seu patrocínio.

1951.06.03 - Homenagem do concelho de Paços de Ferreira à sua memória.

Homenagem na Casa de Retiros de Campanhã.

1952 - Nasce no Porto a ideia de um monumento em sua honra.

1953 - Inauguração do monumento nos jardins da Câmara de Paços de Ferreira.

1963 - Aprovação da oração pedindo a Deus a glorificação de D. Sílvia.

1977 - Organização da comissão para os trabalhos preparatórios da introdução à causa da beatificação.

1982.07 - Festa do centenário do seu nascimento promovida pela Câmara Municipal de Paços de Ferreira com numerosa e devota participação de toda a população do Concelho e da Vigararia.

1982.07.17 - Primeira audição da Cantata “As Obras das Misericórdias segundo Sílvia Cardoso” em Paços de Ferreira, no centenário do nascimento, com poema de Moreira das Neves e partitura de Ferreira dos Santos, e um coro de 300 vozes constituído pelos coros litúrgicos da Vigararia de Paços de Ferreira.

1983.12.03 - Audição da Cantata “As Obras das Misericórdias segundo Sílvia Cardoso”, na Igreja da Lapa, Porto, pelos mesmos coros.

1983.07.29 -Sessão solene no Ateneu Comercial do Porto (salão nobre) presidida pelo Prelado, e onde o P. Moreira das Neves pronunciou a Conferência “Sílvia, Cardoso – A Aventureira de Deus”.

1984.04.06 -Introdução oficial do processo de beatificação e canonização em sessão pública presidida pelo arcebispo-bispo do Porto, D. Júlio Rebimbas.

1987.03.15 -  A Cantata “As Obras das Misericórdias segundo Sílvia Cardoso” foi executada em Lisboa, na Igreja dos Jerónimos, por um coro de 400 vozes, formado por coros de Lisboa, e acompanhados pela Banda da P.S.P., em 15 de Março; 

na Aula Magna da Universidade Clássica, no dia 16 de Maio, pelos mesmos executantes, integrada no Congresso dos Leigos do Patriarcado; 

em Évora, na Igreja de S. Francisco, no dia 13 de Junho.

1988.06.19 - Audição da Cantata, no auditório do Centro Pastoral Paulo VI, em Fátima, pelos mesmos executantes.

1992 -Entrega do Processo Informativo na Congregação para as Causas dos Santos, na Santa Sé.

2013.03.27 - Autorização do Santo Padre Francisco da Promulgação do Decreto relativo “às virtudes heroicas da Serva de Deus Sílvia Cardoso Ferreira da Silva, Leiga

 Nova Biografia da Venerável Sílvia Cardoso

Capítulo I (1882-1950) - Época e Horizonte da sua vida